A importância da hidratação nos meses frios

By 15 Dezembro, 2016Notícias

Como é conhecido, a água é o principal componente do nosso organismo, correspondendo a cerca de 60% do organismo, estando também presente em todos os alimentos. Devido à sua importância, é o elemento central da Nova Roda dos Alimentos, devendo ser bebida regularmente e em quantidades adequadas.

A água participa ativamente em quase todos os processos fisiológicos do organismo, tais como a digestão, a absorção, a circulação e eliminação de muitas substâncias, sendo também um importante veículo de transporte de nutrientes. Adicionalmente, a água participa na regulação da temperatura corporal.

Durante o inverno, é comum as pessoas reduzirem o consumo de líquidos devido à diminuição da sensação de sede. No entanto, apesar da sensação de sede diminuir não significa que não seja necessário ingerir água de igual forma.

Uma boa hidratação é essencial nos meses mais frios para que o organismo possa repor as perdas e evitar as doenças típicas da estação, como por exemplo as doenças associadas às vias respiratórias. A baixa humidade do ar, predominante nesta época, acentua ainda mais a necessidade do consumo de líquidos, dado que o ar seco pode ressequir a pele e as mucosas, agravando estados de gripe e alergias.

Apesar de a água ser o alimento primordial para hidratar o corpo, os chás, as sopas e outros alimentos quentes também podem ser considerados boas escolhas no inverno, complementares à ingestão de água. Sopas feitas com legumes e hortaliças e cereais integrais, para além dos benefícios a nível da hidratação, contribuem também para a ingestão de vitaminas, minerais e fibras.

A quantidade diária recomendada de líquidos situa-se, geralmente, entre 1,5 e 2 litros, no entanto, varia de pessoa para pessoa, de acordo com o volume corporal de cada individuo, a idade, sexo, intensidade de atividade física, entre outros fatores. Como o nosso organismo não consegue armazená-la indefinidamente, devemos ingerir água com regularidade ao longo do dia.

Crianças e idosos são grupo populacionais que devem receber especial atenção, uma vez que são mais vulneráveis à desidratação. Da mesma forma, pessoas que praticam atividade física ao ar livre, ou que trabalham muito tempo na rua, estão mais expostas ao clima seco, pelo que devem reforçar a ingestão de líquidos. Recomenda-se ainda o aumento da ingestão de líquidos em situações de doença, principalmente quando acompanhada de febre, vómitos ou diarreias.

Para quem pratica atividade física, a hidratação torna-se ainda mais fundamental. A ingestão de água em quantidade adequada permite evitar cãibras, fadiga, elevação da frequência cardíaca e da temperatura corporal e até mesmo náuseas e tonturas.